Enfermidades Mercadológicas I: a Bulimia Corporativa

O Mera Doxa, com uma metodologia verdadeiramente empírica e jornalística, já abordou os mais diversos e delicados temas do mundo dos negócios contemporâneo. Em nossas rodas de discussões, vira e mexe nos deparamos com temáticas que, sem dúvida nenhuma, poderiam, sim, entrar para a historia da bibliografia do marketing. Phillip Kotler (Administração em Marketing), Christopher LoveLock (Serviços: Marketing e Gestão) e Kevin Roberts (Lovemarks) sâo autores respeitáveis, mas todos eles desenvolveram suas teorias enquanto estavam envoltos do mais alto escalão corporativo, onde fica muito difícil alcançar o verdadeiro e imparcial senso crítico em relação às grandes empresas. Suas contribuições foram deveras úteis para os estrategistas mercadológicos ao redor do globo, mas nós sentimos falta de alguém que traga uma visão de fora, sem vícios, sem falsas verdades. É aí que o Mera Doxa entra com a série Enfermidades Mercadológicas.
Hoje o tema será a temida e nojenta Bulemia Corporativa. O termo lhe parece estranho? Pois não é. Tenho certeza que alguém da sua família já foi demitido sem grandes razões aparentes de uma grande companhia, que aparentava estar em franco crescimento e, sem pudor, contratava milhares e milhares de funcionários todos os meses, além de investir em grandes ativos imobilizados ao redor do mundo e manter a política de estoques beirando os 360 dias.
É isso mesmo que você está pensando. O termo Bulimia Corporativa não poderia ser mais literal. O processo funciona da seguinte maneira: assim como a Leka (BBB 1 – foto), muitas grandes empresas, animadas com um cenário utopicamente favorável, iniciam um processo que chamamos de Gula 360 graus, no qual começa a “devorar” recursos de todos os lados, comprando tudo que o dinheiro pode comprar, de maneira impulsiva e inconsequente. Contrata atendentes de telemarketing no Brasil, nos EUA e na Índia, compra todos os concorrentes, aluga escritórios em Nova Iorque, Bangladesh e Lusaka. Enfim, engole tudo que pode e, em certo momento, vem aquele sentimento de culpa. A alta gestão começa a se sentir mal com a falta de liquidez e o excesso de dívidas de médio e longo prazo e acaba regurgitando suas posses de maneira repentina e agressiva. É assim que muitos pais de família acabam perdidos no mundo, sem perspectivas ou esperança de dar o sustento para suas famílias.
Não entendeu nada? Leia aqui uma pequena explanação acerca da bulimia.

5 Responses to “Enfermidades Mercadológicas I: a Bulimia Corporativa”


  1. 1 Caju 22/12/2008 às 2:25 AM

    posta mais michel! eh legal pra kralho ver vc por aqui!

  2. 2 O Ator 22/12/2008 às 12:08 PM

    Não posta não. Já tinha esquecido que você existia por essas bandas.

    hahaha

  3. 3 O Ator 22/12/2008 às 12:08 PM

    Não posta não. Já tinha esquecido que você existia por essas bandas.

    hahaha

  4. 4 Alfredo Sandes 02/01/2009 às 1:58 AM

    Poe alguns exemplos!

  5. 5 minicritico 05/01/2009 às 6:17 PM

    Males como a osteoporose, o câncer, a síndrome de Tourette, o alcoolismo, a esclerose, a lepra e ainda hábitos cotidianos como o onanismo e a fagocitose mal podem esperar para ganharem significados corporativos!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




//twitter.do.caju

//twitter.do.hygino

//twitter.do.nico

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

//twitter.do.tico

//twitter.do.michel

//naftalina


%d blogueiros gostam disto: